Publicado por: jromarq | 23/09/2010

Mercadante é melhor!

Debate na Record: Mercadante propõe
e Geraldo, mais uma vez, foge

As regras do debate na TV Record eram mais livres do que no debate anterior da RedeTV!, e, mesmo assim, o principal adversário de Aloizio Mercadante não se sentiu estimulado a fazer perguntas. Não havia desta vez o tradicional sorteio, por exemplo. E num dos blocos era possível que os candidatos fizessem perguntas livremente entre si. Sem restrições. Mesmo assim, o candidato do PSDB preferiu deixar suas costumeiras acusações apenas para o horário eleitoral na TV; nenhuma questão, nenhuma acusação foi dirigida para Aloizio Mercadante. 

Segurança

O debate girou, basicamente, em torno dos temas Educação e Segurança. Sobre esse último, é claro, a maior rebelião em presídios da história de São Paulo foi lembrada. Aquela seguida de uma série de ataques violentos, ataques promovidos por uma facção criminosa chamada PCC. O episódio, acontecido em 2006, durante a gestão tucana, recebeu um nome digno de filme apocalíptico: “o dia em que São Paulo parou”.

Sobre isso, Mercadante afirmou: “Nós temos de recuperar a dignidade da polícia de São Paulo, pagar direito os policiais. Não é possível o governo do estado assistir, como assistiu, à polícia militar e civil se enfrentarem em frente ao Palácio dos Bandeirantes por falta de diálogo, de atenção, de respeito”.

Curiosamente, o único dos candidatos no debate que não viu crise na Segurança Pública foi o representante do PSDB. Ele defendeu sua atual gestão, falando do trabalho dos condenados em troca da remissão de pena.

Mercadante ouviu isso e respondeu forte: “Os presos trabalham, sim, trabalham muito para o PCC hoje. Quem controla o crime organizado em São Paulo hoje são os presídios. Falta controle dentro dos presídios. Permitiram que as facções criminosas fizessem rebeliões, atacassem a polícia, matassem policiais, queimassem ônibus, matassem agentes penitenciários e perderam o controle total do sistema prisional em São Paulo”.

Educação

Na verdade, é o tema preferido do Mercadante. Até por essa razão, ele deu um depoimento emocionado, não como candidato do presidente Lula, não como professor há mais de 30 anos, mas como pai. “Esse tema (Educação) é a história da minha vida. Eu tenho isso como a coisa mais importante da minha militância. Os filhos são o sentido maior da vida. E os pais se sacrificam para dar uma oportunidade maior aos filhos. A gente sabe o quanto é importante ver um filho formado, com a carteira de trabalho assinada, construindo a sua família e isso passa pela Educação”.

Mercadante explicou a confusão que o governo do PSDB faz de progressão continuada (invenção do genial Paulo Freire) com aprovação automática. Lamentou o fato de haver aplicação errada da progressão continuada, e que esse erro da gestão do PSDB tenha gerado um universo de alunos que mal sabem ler, escrever ou entender um texto com clareza. “Que chance tem? Que chance tem essa população de chegar lá na frente com este ensino e ter um bom emprego? Ter uma boa oportunidade na vida? Essa é a questão central desta eleição”, concluiu o candidato do PT.

Mercadante encerrou o debate dizendo que o estado de São Paulo é grande demais economicamente. Se fosse um país seria o segundo da América do Sul. São Paulo pode crescer mais e melhor, como Lula fez com o Brasil e Dilma continuará a fazer. E, claro, o adversário do PSDB continuou sem ter o que dizer.

Lançado terceiro caderno
do Programa de Governo

Aloizio Mercadante apresentou na terça-feira (21/09) seu Programa de Governo para a Saúde. Mercadante disse que é preciso implantar de forma plena o Sistema Único de Saúde (SUS) e investir na promoção da saúde e prevenção a doenças. “É inaceitável que um estado como São Paulo tenha epidemia de Dengue. Nós temos recurso para fazer a prevenção. Temos que recuperar os hospitais e construir oito novos hospitais regionais em áreas onde a demanda é grande e faltam leitos. Vamos fazer 30 novas policlínicas e aumentar o controle social para que a gente tenha uma saúde humanizada e um profissional bem pago e valorizado”, disse.

Trinta quilômetros de metrô, em quatro
anos, só com Mercadante no governo

Aloizio Mercadante visitou, na terça-feira (21/09), o comércio popular de Santo Amaro, na zona sul da capital paulista, e falou sobre o incidente ocorrido na Linha Vermelha do Metrô que liga a zona leste à oeste da cidade.

Temos tido incidentes recorrentes principalmente na CPTM. Além de não ter a qualidade do Metrô, falta gestão, inteligência no sistema e falta prevenção para evitar incidentes como o que aconteceu hoje de manhã na Linha Vermelha. Não podemos ter um incidente em uma composição e parar 18 estações numa linha que transporta 60 mil passageiros por hora e 1 milhão e 600 mil passageiros por dia. Falta mais preparo, prevenção e mais investimento na segurança do sistema. No meu governo vamos fazer 30 km de Metrô nos próximos quatro anos”, disse.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: